Author

gapadula

Browsing

Direito para todos

O Benefício de Prestação Continuada ou BCP é a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família.

É um beneficio que muitos não sabem que tem direito, e é muito importante compartilharmos para as pessoas irem atrás de seus direitos.

Para ter direito, é necessário que a renda por pessoa do grupo familiar seja menor que 1/4 do salário-mínimo. Idosos tem que ter 68 anos ou mais e pessoas de qualquer idade que tenham deficiência tanto física, mental, sensorial.

É necessário fazer um cadastro da pessoa e da sua família no CadÚnico é um portal do governo de cadastro único de programas sociais do governo (Link no final do texto). E solicitar o beneficio pelo App “Meu INSS” ou na Agência Nacional de Previdência Social, pode estar ligando também no 135.

Depois de agendar a relação aos documentos para levar:

-Documento de identificação e CPF do titular (ao requerente maior de 16 anos de idade será solicitado documento de identificação oficial com fotografia);

-Formulários preenchidos e assinados, de acordo a situação do titular (veja abaixo a relação);

-Termo de Tutela, no caso de menores de 18 anos filhos de pais falecidos ou desaparecidos ou que tenham sido destituídos do poder familiar;

-Documento que comprove regime de semiliberdade, liberdade assistida ou outra medida em meio aberto, emitido pelo órgão competente de Segurança Pública estadual ou federal, no caso de adolescentes com deficiência em cumprimento de medida socioeducativa;

-Documento de identificação e procuração no caso de Representante Legal do requerente.

 Para as pessoas com deficiência é necessário passar para uma avaliação de pericia médica para comprovar a deficiência.

Compartilhe com os amigos e conhecidos, ás vezes existem pessoas que não conhecem esse direito e que faz muito diferença na vida financeira, em ajuda com remédios, tratamentos e afins. Todo apoio e ajuda são bem-vindos!

Empreendedorismo é Up!

Quebrando estereótipos associados a Síndrome de Down, já temos exemplos de iniciativa e superação de pessoas que provaram que é possível sim fazer a diferença.

Já citamos aqui no site o exemplo da Kate Grand, que estrelou a campanha da marca de cosméticos Benefit, ela foi a primeira modelo com Síndrome de Down á participar de uma campanha para uma marca tão conceito. Esse é apenas um de vários exemplos que temos de inclusão, as pessoas que tem a Síndrome de Down tem tanta capacidade quanto uma pessoa que não tem, tudo é uma questão de desenvolvimento e iniciativa das pessoas abrirem a mente e darem oportunidade sem descriminação seja por deficiência, cor da pele, classe social ou qualquer outra questão.

Várias empresas hoje tem uma iniciativa de incluírem programa social incentivando a inclusão, mas na prática é muito mais complicado, principalmente para quem passa por dificuldade financeira e existem muitas pessoas que preferem iniciar o próprio negocio em busca de um retorno mais rápido, existem vários exemplos, por exemplo,  um chamou a nossa atenção em especial e resolvemos compartilhar com vocês.

Um grupo de jovens, todos com Síndrome de Down, argentinos, que estavam encontrando dificuldades no mercado de trabalho, decidiram criar o próprio negocio e nasceu os “Los Perejiles” uma empresa que faz pizzas e empanadas a domicílio. Eles  produzem os alimentos, e daí surgiram oportunidades de produzirem eventos e festas. O negocio começou tomou outra proporção e começou a ter um direcionamento em eventos e ficaram especialistas em Pizza Party.  

A empresa cresceu muito desde a sua inauguração em julho de 2016 e hoje eles contam com uma estrutura bem maior e aumentaram as opções do cardápio incluindo bruschettas e um menu especial para pessoas intolerância a glúten.

A iniciativa deu tão certo que hoje a empresa conta com mais de 20 funcionários que buscam melhorar a si mesmo, criando oportunidades para jovens que não encontram oportunidades no mercado.

Essa é uma história que abre nossa mente que atitudes como essa mudou a vida não só dos que tiveram a iniciativa, mas a oportunidades que hoje eles podem oferecer para pessoas que estão em situações semelhantes a que eles passaram, e ter a chance de mudar histórias. 


Esportes para crianças com Síndrome de Down

A atividade física é uma ferramenta que ajuda no desenvolvimento de qualquer pessoa, tanto físico quanto psicológico. Para as crianças isso é ainda mais importante, praticar algum esporte na infância ajuda em fatores para os próximos passos  até sua adolescência, podendo se entender a vida adulta.

Além de melhorar o bem-estar e a qualidade de vida, o esporte ajuda também no trabalho de equipe, as crianças adquirem autonomia e ajuda em vários aspectos,  inclusive social. As crianças com Síndrome de Down  podem  fazer prática de esportes! Quando muito pequenos,  ainda bebes,  é indicado a terapia ocupacional e fisioterapia, e com o passar do tempo e dependendo do desenvolvimento a criança recebe alta e só vai fazendo consultas anuais para acompanhar o seu crescimento, como o que já aconteceu com o Chico. Ele já recebeu alta da Fisioterapia, e inclusive já comentamos por aqui em outro post, e agora ele só vai de vez em quando para fazer uma avaliação de acompanhamento.

O indicado é que essas atividades para as crianças com Síndrome de Down sejam de duração mais curta ou com vários intervalos durante a execução, por terem uma resistência cardiorrespiratória menor, com as pausas, o rendimento acaba sendo  melhor.

O esporte vai ajudar a potencializar habilidades, como por exemplo, coordenação motora, o ganho da força no tônus muscular, além da interação com outras crianças. Uma dica aos papais e mamães é dar atenção ao que seu filho gosta ou ir fazendo aulas experimentais até chegar na que ele mais se adapta. Essa tem que ser uma experiência boa para a criança e não um sacrifício que pode causar um comportamento resistente por parte dela.

O Chico pratica a natação, escolhemos essa atividade porque ele é alérgico e a natação ajuda em questões respiratórias. Ele já está na natação desde quando tinha um ano de idade e percebemos muita diferença, foi um fator muito importante aliado a todas outras atividades que ele já faz.

As irmãs Maria Clara e Maria Antônia são parceiras nas aulas de natação e eles fazem uma farra na piscina com os professores.

O esporte vai ajudar a potencializar habilidades, como por exemplo, o ganho da força no tônus muscular, além da interação com outras crianças. Uma dica aos papais e mamães é dar atenção ao que seu filho gosta ou ir fazendo aulas experimentais até chegar na que ele mais se adapta. Essa tem que ser uma experiência boa para a criança e não um sacrifício que pode causar um comportamento resistente por parte dela.

É primordial o acompanhamento médico e o aval para qualquer atividade, para saber também quais são as opções mais recomendáveis e se a criança com Síndrome de Down apresenta instabilidade atlanto-axial ou outro problema que precisa ser considerado para a prática de esportes. 

Brincar para Aprender-“Criatividade”

A criatividade é uma capacidade humana, iniciada na infância, o desenvolvimento pode vir através de iniciativa própria ou após essa fase, já na vida adulta é possível ir em busca da criatividade por meio da leitura, anotar idéias, fazer atividade física, conhecer coisas e pessoas novas.

Cada um tem um processo diferente de adquirir conhecimento e a partir disso podem surgir insights de novas ideias. Criatividade é uma função cognitiva e é o tema que vamos abordar para a nossa série “Brincar para Aprender”.

Pessoas criativas têm comportamentos diferentes, por exemplo, são curiosas ao extremo, persistentes, bem-humoradas, fácil percepção e grande visionárias.  

O processo criativo se divide em algumas fases:

Percepção do problema– É o primeiro passo no processo criativo e envolve o “sentir” do problema ou desafio.

Teorização do problema– Depois da observação do problema, o próximo passo é convertê-lo em um modelo teórico ou mental.

Solução– É a ideia da solução, é o tipo EUREKA!

Produzir a solução– Tirar a ideia da cabeça, colocar o plano em ação.

Na infância a ajuda e o incentivo na escola, em casa e com os amigos fazem muita diferença para o desenvolvimento da criança, hoje existem muitos brinquedos, desenhos e ferramentas que pode ser usada a favor para ajudar, o contato das crianças brincando juntas ainda é um dos melhores métodos.

As crianças com Síndrome de Down tem a imaginação muito fértil e são muito criativos, deixar eles em contato com a arte, tintas, massinha de modelar, brincadeiras em grupo, contar histórias e explorar o lado mais lúdico, essas atividades que vão ajudar a florescer ainda a criatividade.

O Chico é muito atento e organizado e percebemos que isso ajuda muito no processo de criatividade. Ele observa muito tudo que está acontecendo e mesmo com o atraso cognitivo ele entende rápido as brincadeiras e interagi muito com os amiguinhos. Ele gosta muito de pintura e desenhar, e se solta com música dançando sem parar.

Gostamos de estimular o Chico e as irmãs com brincadeiras e levando eles para lugares que tenham mais contato com a natureza e muita brincadeira.

Estimular é ensinar, aprender, aproveitar objetos e situações transformando em conhecimento e aprendizado. É levar a criança através da brincadeira, a aprender mais. O ato de brincar é terapêutico, e pensar em estímulos é pensar em oportunidades de explorar, ler, sentir, tocar, aprender, viver. 




Restaurante com Espaço Kids

Sabemos o quanto é importante lugares com espaço Kids, principalmente restaurantes. Lugares legais que tenham uma boa interação com a criançada, que seja divertido e com pessoas atenciosas e felizes em receber nossos pequenos, ainda mais quando se tem uma turminha como a nossa Chico, Ana Clara e nossa caçula Maria Antônia.

Separamos dicas bem legais de restaurantes que já fomos e super recomendamos com espaço kids que vale muio a pena.

CHÁCARA DA MÔNICA

O lugar é muito legal, é um viveiro que foi transformado em restaurante bem estilo Bali, com buffet, pizza e a La Carte. Por ser um restaurante temático já chama a atenção da criançada e os olhos dos pequenos estão em todos os lugares vidrados nas cores chamativas, brinquedos, e nos personagens da turminha mais amada do Brasil por todo lugar. O legal é a proposta do lugar bem arborizado, com um contato bem próximo a natureza, nem da pra acreditar que fica em São Paulo mesmo.

Vale muito a pena conhecer!

Localizado no bairro de Pinheiros: Rua:Ferreira de Araújo, 601

Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta, do 12h às 15h30. De terça a sábado, das 18h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 17h. 

Tel.: (11) 3034-6251.  

PRAÇA SÃO LOURENÇO

Esse restaurante tem um jardim maravilhoso, com jabuticabeiras, amoreiras, goiabeiras e um lago que completa perfeitamente a área externa do espaço. Além de ser encantador pela beleza, os papais e mamães podem jantar tranquilamente e contar com os monitores para ajudar com a turminha, e uma dica bem legal, crianças de até 5 anos não pagam o buffet.

Localizado na Vila Olímpia, Rua: Casa do Ator, 608

Horário de funcionamento:

 Almoço: Seg a Sex do 12:00 ás 15:00hrs. Sab e Dom 12:00 ás 17:00hrs

Jantar: Seg a Quin 19:00 ás 23:30hrs. Sex e Sab 19:00 ás 00:30Hrs.

SANTINHO

O restaurante fica dentro da Casa Brasileira, com vista para um Jardim imenso e maravilhoso, os pequenos podem ter mais contato com área verde e brincar a vontade.

Lá eles servem lanches e petiscos a tarde e no almoço contam com uma grande variedade no buffet e também tem menu executivo. Crianças de 0 a 4 anos não pagam.

Localizado no Jardim Paulistano: Avenida Faria Lima, 2705

Horário de Funcionamento: 

Café e Lanches: Ter a Dom 10 ás 12:00hrs e das 15:00 ás 18:00hrs.

Almoço buffet e Menu executivo: Terça a Sexta 12hs às 15hs • R$ 59,00
Sábados, Domingos e feriados 12hs às 17hs • R$ 91,00 (incluso sobremesa)  

Telefone: (11) 3032- 2277

BANANEIRA

O ambiente rústico chique reproduz o clima de um restaurante com pegada mais praiana com receitas brasileiras. O restaurante tem monitores para ajudar com as crianças somente aos finais de semana, vale a visita para os pequenos experimentarem um pouco da culinária brasileira, muito rica de sabores e diversidade para o paladar da curioso das crianças.

Localizado no Morumbi, Rua: Marechal Hastinfilo de Moura, 417

Horário de Funcionamento:

Almoço: Ter a Sex do 12:00 ás 15:00hrs/ Sáb 12:00 ás 17:00hrs e Dom 12:00 ás 17:00hrs.

Jantar: Ter a Sex das 18:00 a 00:00hrs/ Sáb das 19:00 a 00:00hrs 

Boru Sushi

É um restaurante bem agradável , culinária japonesa com espaço amplo, três opções de ambientes o que mais gostamos é o ambiente bem aconchegante e muito familiar. Eles tem uma atenção especial para as crianças com a área kids com brinquedos, monitores, além de ter pratos especiais para a criançada.

Localizado no Morumbi, Avenida Morumbi, 6936

Horário de Funcionamento: 

Almoço: Seg a Sex 11:30 ás 15:00hrs/ Sáb e Dom 12:00 ás 16:00 Hrs.

Jantar: Seg a Sex 18:00 as 22:30Hrs/ Sáb 18:00 ás 00:00 e Dom 18:00 ás 23:30Hrs.

Agora é só escolher um dessas maravilhosas opções e curtir muito com a criançada!

10 Fatos sobre o Chico

Vocês já sabem muita coisa sobre o Chico e adoramos compartilhar cada vez com vocês, dessa vez pensamos em falar sobre as coisas que o Chico mais gosta e listamos 10 fatos sobre coisas e comidas que ele mais gosta.

1- Chico adora comer Tomate Cereja

2-Ama usar boné do Pai

3-Dar abraços

4-Bolo de cacau é o seu preferido

5-Gosta muito de musica

6- Se diverte demais nas aulas de natação

7-Estar ao lado dos amiguinhos da escola é uma farra

8- Chocolate faz sucesso lá em casa mas o meio amargo é o preferido dele.

9-Pão de Queijo huum que delicia.

10- Sorriso é com ele mesmo!

Além de tudo isso, estar na companhia das duas irmãs brincando muito é uma das atividades preferidas dele!

Desenvolvimento da fala de pessoas com Síndrome de Down

A fala é a expressão oral da linguagem é nela onde se encontram as maiores dificuldades das pessoas com síndrome de Down.

Pesquisas indicam que 95% das crianças com síndrome de Down apresentam graves problemas na hora de ser compreendida por outras pessoas, esta inteligibilidade na fala das pessoas com síndrome de Down influi negativamente no desenvolvimento de sua linguagem expressiva e também na sua comunicação geral.

Sempre que possível, os bebês com síndrome de Down devem ser acompanhados por um fonoaudiólogo logo após o nascimento, pois a hipotonia torna a musculatura da face e da boca mais “molinha”, o que pode prejudicar a amamentação e, posteriormente, o seu desenvolvimento. A regularidade e o enfoque do trabalho realizado vão depender das necessidades dos pais e da criança em diferentes fases da vida.

Para estimular o desenvolvimento cognitivo e de linguagem, podem ser necessárias intervenções diferentes em cada fase da criança. No caso das crianças com síndrome de Down, a experiência clínica mostra que o desenvolvimento cognitivo é mais eficiente do que o desenvolvimento da linguagem. Além disso, durante o desenvolvimento da linguagem, as crianças começam a entender antes de conseguir se expressar com palavras, ou seja, a linguagem expressiva é mais lenta que a receptiva.

Quando comparamos fala, linguagem e comunicação perceberam que a fala é de longe a mais difícil para crianças com síndrome de Down. Elas entendem muito bem os conceitos de comunicação e linguagem e têm o desejo de comunicar-se desde pequenas. Por isso, a maioria é capaz de se expressar vários meses antes de estar apta a usar a fala.

A maioria das crianças com síndrome de Down vai progredir até usar a fala como principal sistema de comunicação. Muitas começam a utilizar espontaneamente as palavras para se comunicar entre dois e três anos, em geral, este processo é um pouco mais lento, podendo começar até os cinco anos de idade.

A audição é um fator importante na hora de falar corretamente, se não conseguirmos ser capazes de perceber os sons adequadamente fica difícil de reproduzir bem. Os ossos do crânio e da face de pessoas com síndrome de Down são menores do que o das outras pessoas e essa variação pode resultar em lábios menores, e isso acaba influenciando na forma de como reproduzem os sons. A língua também é afetada pela hipotonia que é uma flacidez muscular, e acaba ficando para fora, em alguns casos é recomendado que se fizesse uma pequena operação onde é cortado um pedacinho, para que a língua fique menor e caiba melhor dentro da boca. Estas diferenças  influenciam nas características da fala e do ritmo, e também são responsáveis pela presença de maior dificuldade para manter a pressão do ar na boca para falar, e para planejar a fala.

Conhecendo para Aprender

Listamos algumas curiosidades sobre a síndrome de down que podem te ajudar a tratar algumas situações com palavras e atitudes diferentes, e até conhecimento sobre como lidar caso você nunca tenha passado por algo semelhante.

1.PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN NÃO SÃO PORTADORAS DE SÍNDROME DE DOWN

Ninguém pode portar uma deficiência, porque é uma característica que a pessoa tem e não algo temporário, ou algo que ela possa deixar de portar como por exemplo, carregar ou trazer algo. Troque por deficiência, é o termo correto a se usar.

2.TODOS TEM INCLUSÃO A CIDADANIA

Em 2008 foi aprovada a norma constitucional sobre os direitos das pessoas com deficiência no Brasil, ela dá acesso á cidadania e é uma forma de garantir os direitos de todas as pessoas com deficiência em igualdade e condições com todos.

 3. PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN NÃO SÃO DOENTES

A síndrome de Down acontece quando a pessoa deveria ter duas cópias do cromossomo 21, ela nasce com três. Isso é uma ocorrência genética e não uma doença.

4. CRIANÇA BRINCA COM CRIANÇA

É muito importante para o desenvolvimento de qualquer criança, ir a escola, brincar, e ter convívio com outras crianças. Os pequenos que tem síndrome de Down também vão á escola, as escolas comuns, estudam com crianças da mesma idade. Isso é fundamental para o convívio social e interação.

5.NÃO SOMOS TODOS IGUAIS

Pessoas com Síndrome de Down não iguais, todos temos características únicas tanto genéticas como herdada de família, assim como qualquer pessoa.

Brincar para Aprender- “Percepção”

Percepção é um ato ou capacidade de perceber alguma coisa baseada em vivências passadas, existem vários tipo de percepção dentre delas a visual, social e musical, além disso, existem percepções que estão ligadas ao sentido como a percepção auditiva, táctil, olfativa e gustativa. É uma função cognitiva e é o tema que vamos abordar hoje na nossa série “Brincar para Aprender”.

A percepção em psicologia e ciência cognitiva, é a função cerebral que atribui significado a sentidos sensoriais para atribuir significado ao seu meio mais especificadamente na psicologia ela é de extrema importância, por que o comportamento das pessoas é baseado em interpretação que fazem da realidade e não realidade em si. Por esse motivo a percepção do mundo é diferente para cada um. Á medida que adquirimos novos conhecimentos nossa percepção sobre as coisas podem ir mudando.

Vamos falar um pouquinho sobre alguns tipos de percepção e a importância dela em cada sentido.

Percepção Visual é interpretação de certos estímulos visuais, que a pessoa obtém algum tipo de informação através dos seus olhos, que compreende também a percepção de formas, cores, intensidade luminosa e movimentos.

Percepção Social consiste na capacidade de ver e interpretar o comportamento de outras pessoas, importante para o convívio social.

Percepção Musical  é a capacidade de reconhecer e ter a percepção do som, ritmo e melodia. A percepção musical pode incluir a identificação de acordes, de intervalos, de solfejos.

São as principais e no desenvolvimento infantil o desenvolvimento da percepção vai muito além com estímulos, já que é com base em vivências o ideal é realizar atividades que estimulem as crianças a usar os sentidos e ir trabalhando isso durante a infância toda. 


Diário das Férias

Sempre no início do ano divido todos os momentos das nossas férias com nossos leitores, amamos compartilhar todos os momentos de diversão com a criançada.

Sabemos que descansar é importante para recarregar as energias, temos o cuidado de deixarmos eles conectados com a natureza, descobrindo novos sabores nos alimentos, brincando muito e aproveitando os avós que moram longe. 

Então vamos lá, começamos as férias com viagem para o Rio de Janeiro, de carro, isso já é uma grande curtição. Cantamos, contamos histórias, piadas e o papai deixa sentar no colo quando o carro está estacionado, claro que desligado!

No Rio a praia é o destino certo, pegamos dias com a temperatura amena, o que é ótimo para aproveitarmos melhor. Mergulhos no mar, castelos de areia e picolés (mamãe liberou um dessa vez rsrs).

Sempre com protetor solar e no horário do sol mais brando, as 8:00 Hrs e mesmo nas férias levantamos mais cedo, por todos em casa já estarmos acostumado então isso não foi um problema para os pequenos.

 Visita à casa dos primos, tios e amigos sempre preenche nossas agendas, teve ida ao teatro para assistir os “Saltibancos”, que alegria ver o Chico super atento às músicas, dança e as irmãs também. Quando o Chico era mais novo não curtia muito ir ao teatro, até porque ele tem uma sensibilidade auditiva devido á Síndrome de Down e o som o incomodava. Adoramos levar eles ao teatro não só nas férias, mas na nossa rotina em São Paulo também.

Ah e teve comemoração do aniversário de três anos da Maria Clara na pizzaria com nossa família e amigos de infância, matamos as saudades e as crianças sempre recebendo carinho de todos.

E quando percebemos já era natal, a visita do papai Noel foi o ponto alto, Maria Clara entregou a chupeta e Chico tirou muitas fotos com o bom velhinho, Maria Antônia ficou um pouco receosa, mas aceitou tirar uma foto no colo dele. 

E depois da farra na cidade carioca seguimos para Visconde de Mauá, um lugar de paisagens lindas e com muita natureza, fica localizado no povoado de Rezende, Rio de Janeiro. A principal atividade econômica da cidade que tem apenas seis mil habitantes, é o turismo. Os viajantes são atraídos pelas lindas cachoeiras, trilhas e passeio pela cidade.

Com a criançada fomos a cachoeiras, brincamos na grama, tomamos banho de chuva, brincamos na piscina, comemos muita fruta no café da manhã, acompanhamos o voo dos pássaros no final da tarde na varanda do Chalé e rimos muito.

Gostamos muito de fazer esse tipo de atividades com as crianças porque deixam elas desconectadas, só curtindo a companhia da família, descobrindo coisas novas e criando lembranças da forma mais pura e inocente que só uma criança pode ter, eles nem lembraram do iPad Rs”.

E para mim como mãe é muito bom ver o sorriso deles vendo os peixes no reservatórios e o olhar fixo na chuva, e penso como é bom ser criança.

Na noite de réveillon curtiram o som dos músicos e ficaram acordados até a hora da virada, viram os fogos super atentos. De volta a São Paulo voltamos para a rotina de terapia do Chico e as aulas de natação. Escola ainda esta no período de férias, eles estão indo na colônia de férias na creche da Maria Antônia, que cada dia tem um tema diferente e a brincadeira rola solta.

Como sempre foram quinze dias de muita diversão, curtição e muito carinho entre irmãos. E já estamos ansiosos para as férias de Julho.