A mamãe do Chico, Thaíssa, me convidou para escrever sobre a Volta às aulas, já que sou diretora pedagógica da escola dele.

Fiquei pensando sob qual ponto de vista escrever: da criança, da família ou da escola? Acreditando que nada acontece isoladamente, resolvi compartilhar com os leitores, como acontece de fato a “Volta às aulas” em uma escola de educação infantil inclusiva.

Os textos técnicos para orientação da equipe sobre adaptação são importantes, sim, mas não é somente a leitura desses textos que conta na hora do planejamento. Tem também muita conversa! A equipe se reúne dias antes do início das aulas e já começa a tecer os primeiros fios das relações interpessoais. É importante que todos estejam com vontade de voltar ao espaço e rever as pessoas, com as quais passarão boa parte de seus dias.

Então, esses fios têm que ter um ingrediente fundamental: o afeto! Gostar de estar onde e com quem nos relacionamos é essencial para que estejamos felizes e, portanto, prontos para dar e receber afeto de nossos pequenos.

Daí, alguém dirá, que todo educador gosta de crianças. Mas, “gostar de crianças” é um dos fios, porque é preciso muito mais do que isso. É preciso ir além, porque junto com a criança vem a família, cada uma com seu modo de vida, seus valores e cultura. Junto com a criança e a família conta também a filosofia da escola, que o professor precisa se identificar para que as relações fluam de forma que todos estejam envolvidos no processo.

Do ponto de vista da família, a escola é o local onde a criança irá passar parte de sua vida e, as pessoas que ali trabalham, são as que a substituem e ampliam as relações sociais das crianças. O espaço, os professores e seus colaboradores passam a fazer parte da história de vida e da formação desta pequena criança. E isso não é pouco!

Todos os adultos envolvidos, família e equipe escolar, trabalham para que as crianças estejam, primeiramente, felizes.

As crianças precisam de limites, regras de convivência e sabem que aqueles que os educam, também os amam. As crianças confiam nos adultos que fazem parte de sua educação. Então, eu entendo que ser feliz é acima de tudo – confiar. E não, como alguns acreditam, permitir que as crianças consigam tudo aquilo que desejam.

Voltamos aos fios. Planejar espaço adequado e atividades interessantes, mas junto com eles, a alegria de trocar informações sobre as crianças e suas famílias, antes mesmo que elas cheguem à escola, é de uma riqueza afetiva muito significativa para todos os envolvidos.

Chegou o grande dia: a volta às aulas ou o primeiro dia de aula. Os pais estão ansiosos, os professores estão ansiosos, as crianças estão ansiosas… o portão de entrada se abre com o sorriso do porteiro, o sorriso da recepcionista, o sorriso dos assistentes, o sorriso dos professores, o sorriso dos diretores…

“Olha lá, quem está me esperando! Meus amigos, outras crianças, meus lápis de cor, minha massinha, meus livros e brinquedos… Estão todos tão felizes em me reencontrar! Um abraço, um beijo e agora é hora de brincar e se divertir!”

Author

Comments are closed.